CRISE NO HUPE VAI PARAR EM BRASÍLIA

Por 27 de junho de 2016 Notícias Sem comentários
REUNIÃO HUPE

Uma comissão integrada pela direção do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da UERJ, Cremerj e Conasens (Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde) vai à Brasília tentar junto ao Ministério da Saúde uma solução para a grave crise financeira que afeta, há meses, o Hospital Universitário Pedro Ernesto, da UERJ.

A decisão foi tirada nesta segunda-feira, durante reunião para tratar da falta de repasse de recursos do Governo do Estado ao HUPE, o que já provocou, entre outros problemas, a suspensão de cirurgias. Funcionários de vários setores do Hospital encontram-se sem pagamento de salários e os fornecedores e prestadoras de serviço, como de limpeza, também estão sem receber.

Participaram da reunião o presidente do Cremerj, Pablo Vasquez, o diretor geral do HUPE, Edmar José Alves dos Santos, a Procuradora do Ministério Público, Denise da Silva Vidal e parlamentares da Alerj, entre eles a Deputada Enfermeira Rejane, que criticou duramente as últimas decisões do Governo em relação à saúde pública do Estado:

Mesmo tendo sido amplamente alertado sobre a ineficiência e os abusos praticados pelas OSs na gestão das unidades de saúde, o Governo não quis ouvir. Agora, com os levantamentos feitos pela Alerj nas contas destas organizações e que está evidente o mau uso do dinheiro dos repasses, o Governador Dornelles e o Secretário de Saúde, em um estalar de dedos, resolvem dispensar estas OSs da gestão e substituir pela Fundação Saúde ou por bombeiros. O que é uma incoerência e não é tão simples assim, visto que para a Fundação é necessário a realização de concursos, proibidos de acontecer pelo próprio Governador, pelos próximos 2 anos!!

Para a deputada, a gestão da saúde fluminense precisa ser planejada, não podendo partir de decisões aleatórias e de soluções “tiradas da cartola” pelo executivo. Acrescentando que ela, Enf.Rejane, e outros parlamentares, ouviram do próprio Governador em exercício Francisco Dornelles que a prioridade para os recursos solicitados ao Governo Federal é concluir as obras da Linha 4 do metrô. Enquanto isso, a saúde fluminense continua sofrendo com suas dores crônicas.

Foi consenso no encontro de hoje ( 27/06), no Cremerj, que o Hospital Universitário Pedro Ernesto é prioridade. Além da assistência aos pacientes de todo o Estado do Rio de Janeiro, o HUPE é a única instituição pública de ensino fluminense focada na formação do futuro profissional de saúde do SUS.

Mas, os municípios fluminenses também não vão ficar de fora da reunião que acontecerá em Brasília, com o Ministério da Saúde. Praticamente todos os municípios do Estado do Rio de Janeiro estão sofrendo com a falta de repasse dos recursos, o que está inviabilizando a gestão das pastas da Saúde.

Há 15 dias, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu à Justiça o arresto de R$ 133.728.672 do caixa do Tesouro estadual para que o valor fosse transferido à Secretaria de Saúde, mas o governo recorreu da decisão. Parlamentares e as entidades representativas dos trabalhadores da saúde defendem que a Justiça mantenha a decisão do arresto mensal dos 12% da receita da arrecadação do Estado para uma conta criada especificamente para a Secretaria de Saúde, o que garantiria o direito à vida e à saúde.

Salvar

Comente