PREFEITURA FECHA MAIS UMA MATERNIDADE NO RIO

PROTESTO FECHAMENTO MATERNIDADE HERCULANO PINHEIRO

O desmonte do SUS caminha de forma acelerada no Rio de Janeiro.  Mais um passo para a extinção dos serviços gratuitos e universais em saúde foi dado nesta terça-feira, 21, pelo Prefeito Crivella. Em atitude arbitrária, a Prefeitura iniciou o processo de encerramento das atividades do Hospital Maternidade Herculano Pinheiro, na zona norte da cidade. A notícia causou perplexidade na população, nos mais de 400 profissionais de saúde trabalhadores da unidade e, principalmente, nas mulheres. A unidade, com 440 profissionais, é referência em assistência materno-infantil, realizando cerca de 3.000 ( três mil) partos por ano. O Hospital atende a aproximadamente 140 mil pessoas distribuídas por quatro bairros da região, e além da maternidade, oferece à comunidade clínica médica, dermatologia, pediatria, psiquiatria, epidemiologia, entre outras especialidades, além de exames laboratoriais, raio-x e ultrassonografia.

SEM DIÁLOGO

A Prefeitura já havia dado indícios de que fecharia a maternidade, ao deliberadamente não suprir a unidade de insumos básicos e corpo multidisciplinar de saúde. Foi deixando sucatear até que as condições de funcionamento ficassem insustentáveis. Ao mesmo tempo, anuncia que no local da Herculano Pinheiro pretende “construir” uma policlínica. Não houve, no entanto, diálogo com a população, com os trabalhadores e qualquer discussão no âmbito do Conselho Municipal de saúde, mantendo a decisão monocrática. Uma clara violação de direitos, principalmente das mulheres, já que o parto não pode esperar e nem a saúde das gestantes e bebês serem colocadas em risco.

Em um curto período, a população do Rio de Janeiro, estado e município, é prejudicada em seu acesso à saúde. Nos últimos dias, devido ao descaso do poder público, houve a interdição ética, pelo Cremerj, no Hospital da Mulher, em Cabo Frio, e na UPA Santa Luzia, em São Gonçalo. O Hospital da Mulher está sendo alvo de investigações em uma Comissão Parlamentar de Inquérito, na Alerj, devido ao alto índice de óbitos de recém-nascidos. Relatora da CPI, a Deputada Enfermeira Rejane antecipou que será recomendado à Prefeitura de Cabo Frio que tome as providências necessárias para a continuidade dos atendimentos e que sejam garantidas  as condições de funcionamento do hospital, com o dimensionamento correto das equipes de saúde e o provisionamento de insumos, que por hora estão incompletos, precarizando o funcionamento.

DEPUTADA SOLICITA REABERTURA IMEDIATA

Com o fechamento de mais uma unidade da rede pública de saúde, o SUS vai perdendo força e vai ganhando espaço o projeto federal de privatização dos serviços de saúde. A Deputada Enfermeira Rejane encaminhou ofício à Secretária Municipal de Saúde solicitando que a Prefeitura restabeleça o planejamento, gestão e manutenção da maternidade Herculano Pinheiro, a fim de garantir o atendimento das gestantes, bem como amplie os leitos obstétricos do SUS no município do Rio. Contrária ao fechamento de unidades de saúde, a Deputada lembra que governos anteriores fecharam maternidades em Caxias e na Praça Quinze, a título de suspensão temporária de serviços, e que as mesmas nunca mais voltaram a funcionar.

Comente