INTERVENÇÃO MILITAR NÃO GARANTE FIM DA CRIMINALIDADE

Por 20 de fevereiro de 2018 Notícias 2 Comentários
FAVELA KELSON`S - FOTO AGÊNCIA GLOBO

Muitos de vocês devem estar se perguntando se é bom mesmo para a população do Rio ter o exército nas ruas. A sensação em um primeiro momento pode ser mesmo de “suposta segurança e controle da criminalidade “. Mas, essa intervenção vai garantir o ir e vir dos cidadãos sem sofrerem atos de violência ou até mesmo perderem a vida? Ao que tudo indica o alvo continuará sendo os moradores de comunidades, da periferia, das favelas, que terão seus direitos violados, suas casas invadidas e revistadas sob ação respaldada em decreto presidencial de intervenção. Não há distinção, nem estratégia.
É preciso entender que a violência no Estado explode, como aconteceu no Rio, por um conjunto de fatores. Com a crise financeira, econômica e ética no Rio, o governantes abandonaram o Estado a própria sorte
As forças armadas chegam, disseminam uma falsa sensação de segurança, escondem sob o tapete da farda o mergulho dos criminosos nas sombras, depois partem sem que nenhuma mudança real tenha se dado, e em poucos meses voltamos ao caos anterior
O povo do Rio de Janeiro merece e precisa ser tratado com menos mentiras e mais respeito.
Precisamos de mudanças estruturais que permitam que os órgãos de segurança cumpram suas missões e que a população possa ter acesso a serviços públicos de qualidade. Enquanto essas medidas não forem tomadas, nada mudará.
Ao invés disso o governo Temer tenta manipular a opinião pública, escondendo a derrota de sua nefasta proposta de reforma da previdência, atrás da fantasiosa e pirotécnica intervenção militar no Rio de Janeiro
Precisamos repudiar mais essa violência contra o povo do Rio!
Nossas periferias, comunidades e favelas precisam ser ocupadas sim, mas pelo poder público, com ruas largas, pavimentadas e iluminadas, escolas de horário integral, oportunidades de emprego e saúde de qualidade.
Não vamos nos deixar enganar Canhões, camburões etc não vão resolver a grave crise que se abateu sobre nós , militar nas ruas nunca acabou com criminalidade urbana.

2 Comentários

  • Gisele da Piedade Silva Gomes disse:

    Deputada primeiramente a intervenção não é militar, mas FEDERAL. Também penso que é preciso a atuação do Estado na educação, saúde e economia para que essa realidade de violência do Rio assim como de todo o Brasil mude. Mais sabemos que isso é um investimento de longo prazo, e infelizmente não vejo nenhuma ação por parte dos nossos representantes ELEITOS para acabar com essa realidade.
    Todos preocupam-se em permanecer no poder à qualquer custo, e com isso as ações que precisam ser tomadas à longo prazo ficam engavetadas, pois não geram votos para permanecer no poder.
    De fato o problema do aumento da criminalidade e violência no Rio é devido à um conjunto de fatores, e é preciso acabar com eles, mais no momento precisamos de uma ação imediata, precisamos estancar o sangramento pra depois tratar a ferida. Vai dar certo essa intervenção no Rio? Eu não sei. Espero que dê. Eu nao votei na chapa Dilma-Temer, porque eu não voto no Temer, mais espero que essa decisão dele realmente dê certo, porque só quem vive a violência todos dias, sabe o que é isso.
    Eu não sou partidária de ninguém, mais torço por todos, independente de partidos que queiram fazer algo que possa beneficiar os meus compatriotas.

  • Jorge Valdiney Jural disse:

    A respeito do comentário e de uma época revivida; quando se faz leitura da história exemplo de politicas publicas fala-se do estado novo, logo adiante novo estado do Presidente Jetúlio Vargas e segue os acontecimentos de intervenção que seja por uma situação ou outra a qual reflete propor uma estabilidade
    no pais.
    Penso que a cada gestão a cada governo se há um projeto apresentado por Supremo tribunal com as linhas trassada por legislação em um seguimento de um todo; incluindo as campanhas da vida do planeta e passada como se fosse um bastão em uma corrida de atletismo.

Comente