ENFERMAGEM OBSTÉTRICA: POLÍTICA PÚBLICA DE SAÚDE QUE DÁ CERTO

Por 12 de abril de 2016 Notícias One Comment
Doulas-3

Hoje é o dia nacional da enfermagem obstétrica e homenageio e reafirmo nosso apoio a esse serviço de saúde essencial, reconhecido nacional e internacionalmente, por acolher e cuidar de forma humanizada e eficaz, de nossas gestantes e seus bebês.

A Enfermagem Obstétrica brasileira tem avançado muito técnica e cientificamente e demonstrado excelência na prestação desse serviço que há mais de três décadas, adotou como premissa de qualidade na atenção à saúde e no cuidado centrado nas mulheres, seus bebês e famílias, assumindo radicalmente que o cuidado oferecido por equipe multiprofissional com enfermeiras obstétricas na sua condução é o melhor que se pode oferecer às gestantes e suas famílias.

Isso vem sendo constatado dia após dia, na adoção de procedimentos, normas e protocolos que empoderam a categoria e na reversão de índices historicamente alarmantes de mortalidade materno infantil.

De 1990 para cá, a taxa caiu quase pela metade, mas a redução não é suficiente para que se consiga cumprir a meta pactuada com a ONU.

O empecilho a esta redução se deve a altíssima taxa de cesáreas, ao excesso de intervenções desnecessárias, à falta de treinamento de equipes especializadas e à proibição do aborto, principais fatores apontados como barreiras para que o risco diminua mais no País. E, a enfermagem obstétrica pode contribuir muito para essa redução.

Entretanto, muito ainda precisamos avançar, além de barrar retrocessos como as Resoluções 265 e 266 do Cremerj, que tentam restringir a atuação legal da enfermagem obstétrica.

É preciso cobrarmos também dos Gestores de saúde a ampliação da Rede Cegonha em nosso Estado e garantir uma remuneração justa e diferenciada e a jornada de 30 horas para esses trabalhadores especializados

É incompreensível que tenhamos em todo estado do Rio de Janeiro apenas uma Casa de Parto, apesar do sucesso de seu funcionamento !

A afirmação da competência dos profissionais de Enfermagem  no exercício do atendimento ao pré parto, parto e pós parto é também uma forma definitiva do Brasil aderir aos Princípios de Empoderamento das Mulheres da ONU, definidos pelo seu UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher) e, desta forma atender ao artigo 1º da nossa Constituição Federal onde homens e mulheres são iguais perante às leis, de oportunidades de trabalho e carreira e cidadania plena.

A Enfermagem Obstétrica é um exemplo de política pública a ser seguido por outras áreas da saúde e que assegura às mulheres o direito ao protagonismo na hora de parir!

Profissionais da Enfermagem obstétrica, meus Parabéns! Vocês cumprem um papel fundamental no ciclo da vida!

Um Comentário

  • uer noção disse:

    Na audiência pública emocionante que participei pude perceber que há 34 anos atrás experimentei essa tal de violência obstétrica sem qualquer noção de meus direitos. E eu sempre me achei decidida e dona de meu nariz. Vivendo, apanhando, aprendendo. Levantando, sacodindo a poeira e avançando sempre apesar de tantas patrões e interesses mercadológicos que valorizam o TER o SER. Parabéns deputada por mais esse trabalho em prol da conscientização das mulheres.

Comente