REJANE PROMOVE AUDIÊNCIA PARA DISCUTIR REFORMA DA PREVIDÊNCIA

APOSENTADORIA

Em sua sanha de aprovar a qualquer custo a Reforma da Previdência e minimizar o alto grau de antipatia do povo brasileiro contra novas regras para a aposentadoria, o Governo Temer conseguiu, mais uma vez que a Justiça ficasse ao seu lado.  Por liminar concedida pela ministra Carmem Lúcia , o Supremo Tribunal Federal liberou a veiculação da propaganda governista em favor da retirada de direitos dos trabalhadores! Na decisão, a presidente do STF justifica que “a suspensão da propaganda é grave lesão à ordem pública e tira da administração pública os meios necessários para divulgação da proposta, motivação e repercussão”.

Ora, que espaço as entidades representativas dos trabalhadores dispõe, em rede nacional nos meios de comunicação, para demonstrar como esta reforma vampiresca prejudicará os cidadãos deste País, especialmente as mulheres?

A PEC 287 propondo mudanças profundas no regime da previdência, é tema de notas técnicas de várias entidades. O DIEESE, por exemplo, divulga o documento “As mulheres na mira da reforma da Previdência“. Na nota, o Departamento analisa que, se aprovada a proposta, as mulheres seriam afetadas tanto pela elevação da idade mínima quanto pelo aumento do tempo mínimo de contribuição e, mais ainda, pela combinação desses dois novos requisitos. Além disso, o requisito de idade mínima valeria independentemente do fato de as mulheres trabalharem na área urbana ou rural, no serviço público ou na iniciativa privada, na educação básica ou nas demais ocupações.

O que o Temer e sua turma desejam é que a idade mínima de 65 para a aposentadoria vigore para homens e mulheres, criando regra única de acesso. Sendo as mulheres ainda mais penalizadas com a proposta, que prevê também a elevação do período de contribuição para 49 anos.

Esta turma do Planalto quer que a população trabalhe até morrer, já que a expectativa de vida beira os 65 anos.

Nosso papel, nas ruas e no parlamento, é reagir à Reforma da Previdência e esclarecer aos brasileiros porque devemos rejeitar a PEC 287. Na Alerj, no próximo dia 17 de abril, vamos reunir parlamentares e especialistas para discutir os reflexos da proposta que mexe no seu bolso, que mexe na sua vida e de sua família.

Estão todos convidados à audiência pública, às 10 da manhã, no auditório Nélson Carneiro, prédio anexo ao Palácio Tiradentes, centro do Rio.

 

Comente